Os 13 piores sites sobre quadrinhos de todos os tempos

nerd

Faz parte do ofício da crítica de quadrinhos ler o máximo possível do que se escreve a respeito, e hoje se escreve principalmente na internet. Percorro centenas de sites sobre quadrinhos em vários idiomas, dos mais relevantes aos mais obscuros. Neste périplo, percebi um decréscimo monstruoso da qualidade do discurso nos últimos cinco anos. Os quadrinhos vem deixando de ser vistos como um entretenimento e tem se tornando veículo de bandeiras políticas bizarras, ofensivas e paranoicas.

Isto me levou a elencar os treze piores sites da internet, aqueles que vem deturpando o sentido e os objetivos das histórias em quadrinhos; de entretenimento saudável, propulsor da imaginação e da fantasia de crianças, jovens e adultos, para uma espécie de cartilha ideológica pós-moderna disfarçada de produto, disfarçada de arte, pronta para ser usada para a doutrinação, para o condicionamento comportamental e apta para a aceitação em meios intelectuais elegantes; contrariando a tradição cultural dos quadrinhos como uma forma de arte popular, descompromissada com bandeiras ideológicas socialmente aceitas, uma arte subversiva e anárquica.

Os sites comentados aqui surgiram com o objetivo ou se transformaram em propagandistas de um ethos atualmente imposto a partir de cima, das esferas de estudo acadêmico, dos grandes meios de comunicação e de poderosos grupos políticos. Dependendo do caso, eles exercem vigilância, fazem campanhas sugerindo ou exigindo a censura, veiculam textos de doutrinação e condicionamento e/ou tentam denegrir a imagem de artistas e obras que não seguem, por alguma razão, os modelos impostos. A vigilância sobre o conteúdo das histórias em quadrinhos ou outras mídias de entretenimento perfaz uma das mais violentas e perigosas tentativas de calar a livre expressão.

13 – Women in Refrigerator (1999)

O site que deu origem a paranoia das feministas radicais com os quadrinhos. A então cabeleireira Gail Simone teria ficado chocada com uma cena do gibi Green Lantern #54 (1994), em que Kyle Rayner chega em casa e encontra sua namorada morta enfiada em uma geladeira. Ela criou uma lista de situações em que as mulheres eram vítimas de violência nos quadrinhos americanos de super-heróis. Causou reações, polêmica, e acabou sendo convidada para escrever quadrinhos.

Simone nunca levou em consideração que além das mulheres, os homens também sofrem violência nos quadrinhos, assim como os alienígenas, os animais, as criaturas de outras dimensões e tudo que existe. A essência dos quadrinhos de heróis é a violência, o conflito. Também não analisou a situação a partir do momento em que viviam os quadrinhos nos anos 1990, era época do “grim and gritty” quando se apelava pra todo tipo de situação extrema pra vender gibi, coisa que anteriormente não era permitida, devido as restrições do Comics Code. Mas ela não queria saber de nada disso, só queria se promover, e conseguiu, agora é uma conceituada escritora de HQs. Não gostava que matassem mulheres nos quadrinhos, mas hoje mata (conceitualmente) personagens consagradas como Sonja e Vampirella. Vem ao Brasil este mês falar bobagem em um evento chamado FIQ.

Por ter começado isso, Simone é uma das grandes influências dos paranoicos da internet e é responsável indireta por todas as campanhas de perseguição a artistas como Orson Scott Card e Milo Manara. A única coisa na geladeira aqui é o cérebro de quem se deixa influenciar por ela.

12 – Melhores do Mundo

Site que era de zueira, humor, com o tempo foi cedendo aos limites do politicamente correto, até virar um dos expoentes do discurso caxias e moralista atualmente em voga. A autocastração que os transformou em eunucos não permite mais piadas de gays, finalizar os posts com fotos de gostosas nem qualquer coisa que possa ser ofensiva para as minorias vigilantes. Eu o coloquei como exemplo do que os veículos de humor vão se tornar na medida em que essa agenda for avançando.

11 – Terra Zero

Era um bom site de divulgação do conteúdo DC Comics, mas agora toma posições políticas em suas colunas. Sempre para o lado “do bem”. O discurso chatinho das “minorias”, da “representatividade” dominou tudo e não permite manifestações contrárias. Chamam os leitores de “coxinhas” – os mesmos leitores que deram a eles o sucesso – e decretam que “o mundo mudou”. Eu rio dessas crianças que se acham conhecedoras do mundo aos 20 anos.

Não por acaso, eles se afastaram da DC e hoje falam sobre outras editoras, talvez por perceber que a casa de Batman tem um viés mais conservador. Há artigos propagandeando teoria de gênero, queer e toda baboseira ideológica que contaminou a indústria dos quadrinhos nos últimos anos. Quer uma dica? Preserve seu cérebro, quando quiser ler as notícias sobre a DC, procure sites estrangeiros.

10 – Omelete

O maior site de quadrinhos e entretenimento do Brasil não emitia opiniões de verdade até pouco tempo atrás, mas agora cedeu ao discurso elegante da moda. Você entra lá atualmente e, além de milhares de anúncios, sempre vai encontrar um artigo de um suposto especialista falando em sexualidade nerd, minorias, representatividade, etc. Fiquei chocado outro dia quando vi um texto que falava tudo sobre travestis na mídia, era um verdadeiro manual.

Existe alguma necessidade disso? O sexo é uma questão pessoal, não tem nada a ver com gibi, filme, videogame, por que um site de cultura pop tenta, de certa forma, educar crianças e jovens nesse sentido? Isso não seria responsabilidade das famílias? É óbvio que esse site é influente, a grande maioria da garotada que lê quadrinhos só se informa pelo Omelete. Aderiram a um discurso ideológico de transformação de sexualidade em política que pode mexer com a cabeça de muitas crianças, muitas que tem famílias religiosas inclusive. O que estão ganhando com isso?

Chamam Frank Miller de Fascista em um vídeo, mas quando querem bombar seu evento e ganhar mais, quem chamam?

9 – Judão

Este site já foi legal, era divertido até, mas chegou ao extremo de se desmembrar para se adequar aos ditames do politicamente correto. Um lado ficou com as notícias, o outro com os artigos. Também segue o discurso dos elegantes senhores do bem. Minorias pra cá e pra lá, parece que descobriram a roda e o fogo agora. Quem vê, acha que antes do ano passado o mundo era como em 1850, escravidão e segregação de negros e mulheres, dai de repente tudo mudou, todas as minorias se libertaram e nunca mais vai sair um gibi que não tenha a tal da diversidade. Pura bobagem, discurso de colegial. Esqueceram que entretenimento é pra divertir e não converter. Pra um site que há pouco tempo fazia divertidas resenhas de filmes pornô, a queda foi grande.

8 – Quadrinhos na Sarjeta

A verdadeira razão para que uma agenda ideológica tão maléfica tenha atingido a cultura de quadrinhos e esteja contaminando a mídia, os eventos e o conteúdo das HQs é a influência dos trabalhos acadêmicos. Eu cito este site não só por ser uma leitura muito ruim, por seus textos pretensiosos e canhestros, mas por ser um dos que representam essa tendência acadêmica na blogosfera de quadrinhos.

Outro dia entrei em um grupo de acadêmicos pesquisadores de HQs e 90% dos trabalhos divulgados eram de ciências sociais, tinham cunho ideológico. Eles inventam que as teorias bizarras de gênero e coisas do tipo devem ser aplicadas aos quadrinhos e no dia seguinte tudo quanto é site jornalístico está repetindo, artistas estão seguindo a tendência e se achando super cult, dai a coisa se populariza. Há pouquíssimos acadêmicos no Brasil que sabem escrever sobre quadrinhos, normalmente aqui os estudos são contaminados pela masturbação intelectual das ciências sociais, aconselho quem quiser referências acadêmicas sobre HQs a buscar os estrangeiros, pesquise em inglês, espanhol e francês.

Quanto aos sites acadêmicos brasileiros, eles são os verdadeiros responsáveis por todo o mal. Acautelai-vos desses sites.

7 – Tapioca Mecânica

O nome já é ruim, o conteúdo, pior ainda. Este site reflete a tendência da imitação, todos os dias surgem novos sites de quadrinhos no mundo e a tendência é imitar os que já existem e fazem sucesso, porque uma voz original só o Caixa de Gibis tem é muito difícil de desenvolver. Daqui pra frente, vão surgir inúmeros sites repetindo o discurso politicamente correto. Muitos desses sites vão ser criados por pessoas que nem imaginam ser essa patuscada recente, sem saber o mal que estão fazendo aos quadrinhos. Todos vão aderir as periódicas campanhas de censura e intimidação e serão os soldadinhos a fazer número.

6 – Ei Nerd

Este é definitivamente o pior site de quadrinhos que eu já vi, mas não está no fundo da minha lista porque não é levado a sério por ninguém.

Porém não se engane, sites como esse podem ser muito mais perigosos para o caso que estamos discutindo, isso porque é se passando por retardados que publicam uma infinidade de listas pseudo polêmicas que eles inserem suas ideologias da maneira mais eficiente. Muitos não gostam de ler artigos, acham chatos e cansativos ou não tem tempo, dai clicam em listas, que são mais divertidas, elas acabam gerando muito mais visitas do que textos. Este site publica listas ridículas como “os momentos mais sexistas dos quadrinhos” e lá, sub-repticiamente, fazem pequenos comentários, preparando os leitores mais ingênuos e suscetíveis. Em busca de cliques, eles colocam os assuntos da moda. Nem preciso falar mais nada.

5 – Minas Nerds

Essas garotas fazem parte da turma que descrevo abaixo, dizem que leem quadrinhos, mas parece que não conhecem muito de sua história. Inventaram um tal de problema de “representatividade” e acham que devem “ocupar” (sic) os espaços dos quadrinhos. Será que elas não sabem que, apesar de ser predominantemente masculino, os quadrinhos sempre tiveram criadoras e personagens femininas de destaque? Que tal se estudassem um pouco?

O problema é que todo mundo quer ter uma ideologia pra ser sua razão de viver e hoje ideologizou-se tudo, dos meios de transporte a comida, do sexo aos quadrinhos, e o vazio espiritual do mundo contemporâneo faz com que todo mundo saia pela internet dizendo ser partidário da ideologia verdadeira. Isso enche o saco.

4 – Collant Sem Decote

Isso é horrível. Apesar de ter sido divulgado no portal G1, da Globo, esse site não conseguiu leitores. O assunto ta na moda, a abordagem é politicamente correta, mas ele não sai de 400 visitas nos posts. Talvez porque feminismo e cultura pop não combinem mesmo, ou porque é muito mal escrito, sei lá.

Mas a persistência da autora no sentido das bizarrices, como dizer que não precisamos de uma animação da Piada Mortal e a insistência febril na utilização de uma linguagem inventada nonsense, com palavras tipo “cisgênero”, “intersexual”, “mansplaining” garantem na verdade alguns belos momentos de humor. Eu rio alto dessa babaquice.

O perigo aqui são as campanhas que ela faz, reclamando de conteúdo de HQs, filmes e séries, da atitude de artistas e empresas e até de piadas. Isso vem se proliferando pela internet e abre as portas para a censura, bem ao gosto dos jovenzinhos radicais e intolerantes. É necessário combatê-los

3 – Ladys Comics

O mais chato, sem graça e triste site sobre quadrinhos da internet brasileira. Sempre essa coisa do vitimismo “ei, somos gente, também lemos HQ”. Não imagino quem frequenta isso. Só digo que os trabalhos apresentados não tem qualidade, não se sustentam e se não fosse pela ideologia embutida, esse site não teria nem dez visitas por dia. Tudo é aquela conversinha pra boi universitário dormir de que as mulheres não tinham representatividade. Putz, será que já ouviram falar de Sheena, a rainha das selvas? Ela foi criada no estúdio de Will Eisner e já tinha revista própria em 1940! Nunca houve nenhum problema de representatividade nos quadrinhos.

Elas tem ao menos a virtude de não serem tão agressivas quanto as outras feministas. Toda vez que entro nesse site e vejo o banner com a mulher desenhada, lembro da estética dos anúncios de revistas femininas americanas dos anos 1950, e aquele balão me parece uma panela. Não sei se foi inconsciente isso ai.

2- Geeks Out

Tem um monte de editores, jornalistas e artistas de quadrinhos confundindo suas inclinações pessoais com os quadrinhos que leem e os filmes que assistem, acabam levando tudo para o seu filtro pessoal. Se é gay é bom, se não tem gay não é. Como é que é? Pra quê isso? O que diabo a sexualidade dos super-heróis ou qualquer personagem de HQs tem de importante? As histórias de heróis não são sobre isso e não devemos ideologizar o entretenimento a ponto de virar um panfletinho. Isso é diminuir os quadrinhos.

Mas dai surgem organizações perigosas, essa Geeks Out é uma delas, a especialidade deles é fazer campanhas de boicote contra tudo que não tem gay no meio. Eles inventaram termos como Superqueeros (superbichas), tudo pra eles tem que ter gay, se não tiver pelo menos elogios a gays, boicote! Orson Scott Card foi uma das vítimas, dois anos atrás eles fizeram uma campanha de boicote contra o filme adaptado de Ender’s Game. Tudo que esses caras querem é impor sua maneira de ver o mundo para todos, eles não querem tolerância, eles não querem respeito, eles querem censura, perseguição e autoritarismo.

1 – The Mary Sue

De todas as questões que expus aqui, The Mary Sue é o campeão, contém tudo e muito mais. Este site é o verdadeiro modelo de todos e tem influência de verdade na indústria de quadrinhos, não é quase insignificante como seus imitadores brasileiros. É um dos sites mais intolerantes e fascistas de toda internet.

Eles organizam e apoiam campanhas de boicote, perseguem artistas, tentam censurar HQs, intimidar, difamar e ridicularizar todos que vão contra sua agenda. Orson Scott Card, Frank Miller, John Byrne e Milo Manara foram algumas das vítimas dos editores e leitores desse site. Eles também se utilizam do linguajar da novilíngua politicamente correta com palavras bizarras: cisgender, intersexual, transgender, transfobia, transcomic e transhomolesbointergenderfuckfobia!

Tudo que tem sido feito nos sites brasileiros citados acima é respaldado por teorias acadêmicas, porém seu meio de aplicação em textos sobre cultura pop é macaqueado de sites estrangeiros como este, portanto, não se assuste se em breve os sites desta lista tomarem a frente de campanhas contra a liberdade de expressão como seus inspiradores estrangeiros fazem. Esta lista é pequena e vai ficar menor ainda no futuro, na medida em que o ódio a liberdade dos quadrinhos crescer.

 

Anúncios

81 comentários

    1. Veja como você é idiota, o cara usou vários argumentos respeitosos e você vem com insinuações pueris. ”Machinhos inseguros” devem ser vocês que são como folhas ao vento, palhaços metidos a merda. Agora venha com mais de sua baboseira viadasca, babaca pretensiosa.

      Curtir

      1. É sempre assim, eles respondem com argumentos tão profundos quanto a profundidade de um pires. Essa gentinha parou de pensar, seguem a risca a doutrinação dos professores e outras lideranças, aí ele param de pensar por si e quando tentam debater, sozinhos, com alguém, não tem essa capacidade, e vomitam essas merdas.

        Curtir

    1. não é nada disso, pois o que ele está escrevendo é a mais pura verdade. ´GRAÇAS ÀS INFLIÊNCIAS DAS IDEOLOGIAS QUE FAZEM UMA VERDADEIRA LAVAGEM CEREBRAL NAS MENTES DOS MAIS INGÊNUOS E DESAVISADOS, A LIBERDADE DE EXPRESSÃO QUE É UM DIREITO DE TODO SER HUMANO VAI AOS POUCOS SENDO MINADO. SEM CONTAR QUE ESSAS IDEOLOGIAS AÍ SÃO BASTANTE PERVERSAS.

      Curtir

  1. Disse o que todo mundo tem vontade de dizer, mas não pode pq a galerinha das justiçadas se junta pior que fanáticos religiosos e faz de tudo para calar a sua opinião, principalmente se você é piroco branco cis e heterossexual.

    Curtir

        1. Se vc acha que homoafetivos, mulheres e negros não estão sendo vítimas de violência apenas porque você não os vê “pendurados em estacas ou metralhados em praças”, então você é mais cego do que imagina.

          Curtido por 1 pessoa

  2. Adorei saber que representatividade ofende. Antes era só porrada, machão e mulher sem roupa que prestava. Aí o negócio ficou mais diverso, embarcou uma onda de pensamento que quer avançar, mas o que os ogrinhos veem é só “politicamente correto” e acham isso ruim. Se você se incomoda tanto assim que respeitem as vontades do público diverso, produza seu próprio material e distribua pra quem bem entender. Se os quadrinhos e o meio não te fazem feliz, deixe de reclamar e vá criar seu material. E veja bem, tudo o que você selecionou como ruim, é o que embarca vontades e e respeito à mulheres e outras minorias. Se você tem tanto problema em respeitar e entender que as coisas mudam, fique no passado mesmo. Não precisa consumir se não gostar. O meio do entretenimento está mudando e as problemáticas expostas por você aqui só mostram que elas são necessárias. Se você ficou chocado com um artigo que fala de trans, precisa ler mais. O mundo não é feito só pra você. Entretenimento está deixando de ser excludente e preconceituoso e está incluindo outras linguagens, outros pensares e acima de tudo, respeito. Se respeitar é tão difícil, você precisa se tratar.

    Curtido por 4 pessoas

    1. E por que vocês não criam os de vocês?

      Não criaram nada original até agora, só pegam personagens dos outros e transformam, quer uma lista?

      Lanterna verde – gay

      Lobo – afeminado

      Conan – afeminado

      Homem de Gelo – gay

      Capitão América – socialista

      Sonja – roupas de freira

      Vampirela – roupas de islâmica do taliban

      O QUE VOCÊS CRIARAM?

      NADA!

      Vocês não tem respeito pelo que outras pessoas criaram e deram suas vidas.
      Sabe por quê? Por que não tem criatividade alguma, vocês só sabem se ressentir e tentar destruir o que as outras pessoas criaram.

      “Adorei saber que representatividade ofende”

      Sabe por que você iniciou seu comentário assim? Porque não lhe interessa a representatividade, o que lhe interessa é ofender, censurar e perseguir.

      E ninguém aqui está ofendido, estamos nos precavendo contra o autoritarismo e a censura.

      Você é que precisa de um bom tratamento.

      Curtido por 3 pessoas

    2. Você só quer chamar a atenção, vocês vivem de auto-afagos e de cuspir naquilo que não são capazes de fazer; vocês são a escória e ainda por cima se acham bons, e são tão deprimentes que acreditam na própria mentira contada por vocês. Vocês são o ”mainstream” tem todo o dinheiro e apoio, os caras que vocês perseguem tem 1/10 do dinheiro e apoio que vocês tem, mesmo com tudo isso ainda vem tripudiar! Vocês são INOMINÁVEIS, piores que ratos e mais nojentos que vermes.

      Curtir

    1. Quem ta chorado, babaca? Gente do seu naipe que faz blogs vive criando suas próprias listas negras, tripudiando dos outros, muitos vezes levando altas boladas, e você ainda tem a cara de pau de achar que é ”a boceta das galaxias”?! PUTA QUE PARIU a cara de vocês é mais lisa que teflon! Se enxerga! Vocês são o mainstream, vocês não são a minoria sofrida, toda a mídia e academia vivem afangando-os e ainda acham que são vítimas!

      Curtido por 1 pessoa

  3. Essa coisa de site de quadrinhos neutros, 10 anos atrás, hoje esquerdando a rodo, é devido a estratégia “advocacy”, muita conhecida por ser utilizada em think tanks. Consiste em criar pautas para colocar na imprensa e na boca do povo. Acadêmicos de cursos parasitas da área de humanas criam teorias esdruxulas e disseminam na imprensa. Se você não estiver vacinado, cai como um otário. O pior, realmente, é a censura.

    Curtir

  4. Bom texto, achei-o com uma visão corajosa e . Até concordo com muitos dos pontos colocados aqui. Porém achei carregado demais, cheio de aversão à aversão e fazendo sua própria panfletagem, como que tentando andar na marra na contra-mão.
    É revoltante essa moda de obrigatoriedade de aceitação, sem dúvida (a coisa parece que não está vindo natural, mas empurrada goela abaixo, como um grito explosivo de liberdade após tanto tempo de repressão; eu entendo a aflição das minorias), transformando tudo num preconceito reverso. Perdeu-se o sentido da diversão e o entretenimento. Tudo tem que ser na linha reta, simples assim.
    Não estamos mais na geração simplista dos “Os Trapalhões” ou “TV Pirata”, não existe mais esse tipo de liberdade, as pessoas se ofendem, se tornaram mais sensíveis com qualquer coisa que se pareça um ataque pessoal e discriminatório. E o site com certeza será acusado de defender idéias machistas e discriminatórias justamente pelo fato de não estar defendendo as minorias.
    Mas, entendo que o site quis jogar alguma luz neutra e objetiva sobre tudo. Não sei bem se conseguiu. Digo isso porque eu já li, já participei e ainda participo de alguns desses sites. E não entendi qual foi a bronca por exemplo contra o pessoal do Ei Nerd que lançou um vídeo sobre “momentos mais sexistas dos quadrinhos” sendo que tudo o que foi mostrado ali realmente é fato. E aí? Realmente gostei do texto mas não entendi a bronca em cima desse vídeo por exemplo. Não que esteja defendendo a contínua e cansativa panfletagem, vide o que eu escrevi acima, mas não achei o texto de todo sóbrio. Achei-o com um sentimento de desforra e conscientemente ofensivo.
    Agora, para eu entender o verdadeiro propósito deste texto, gostaria de saber do autor quais então são os sites (nacionais por favor, pois não adianta nada ficar defendendo somente sites gringos para pessoas que tem um péssimo inglês igual a mim ou não suporta textos em espanhol) recomendados para o leitor que quer informação e noticias de quadrinhos e nerds em geral escritos de maneira sóbria, imparcial e sem ofensivas, pois para vc falar mal de um, vc tem que ter uma opção à disposição, não concorda? E para um texto que quer ser levado a sério, brincadeirinha não cabe, vc não acha? Então por que aquela alfinetadinha dando a entender que esse é o único site confiável. Já coloca aí em xeque a credibilidade do texto.

    Curtir

    1. Foi boa ideia, sim. O cara foi corajoso e ponto. ao contrário dos militantes de esquerda que são manipulados e não curtem ler. O cara do post, aqui, foi lá se embasar dessas merdas todas e dar seu parecer. Simples. Isso é coragem e responsabilidade.

      Curtir

  5. Cara, qual o sentido de fazer umas postagem dessas?

    Se você defende que ler quadrinhos é uma diversão saudável, a primeira coisa que você devia fazer é esquecer essa suposta bobeirada e ir curtir a porra dos quadrinhos.

    Esquece os outros.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Ele está certíssimo. Esse seu discurso é tão tosco quanto dos militares de esquerda nos sites citados. O cara está alertando dos perigos devido os leitores serem crianças e adolescentes e sua possível manipulação, já que esse pessoal defensor dos fracos e oprimidos inventam mentiras para endossar suas opiniões. O que ele fez é muito válido e está de parabéns.

      Curtir

  6. O importante é desconstruir a figura do hetero, do pai de família, do marido de verdade (quand não se está fumando um baseado ou dando trepada libertária por aí). Claro, o homem representa a opressão e o autoritarismo, o falo é um instrumento de violência. As mulheres, sim, são as vítimas. Só não sabem explicar por que o filho que elas educaram cresceu assim.

    Curtir

  7. Vamos ser claros. Quadrinhos precisam ser ou isentos de opiniões políticas, ou precisam apresentar todas elas. Porq se vc priorizar a q vc achar melhor, vc está limitando o poder de decisão do público leitor. É como se só um partido político pudesse fazer propaganda na TV. Isso se chama censura.

    A minha opinião pessoal é a de q quadrinhos deveriam se afastar das opiniões políticas. Histórias em quadrinhos sempre foram usadas como escapismo pela maioria do público leitor, principalmente as de Super-heróis. Porq então trazer para os quadrinhos os temas dos quais ja estamos fartos de ver nos noticiarios, nas novelas, nas rádios etc? Era pra sair da realidade, lembra?

    Se vc quer tanto um quadrinho q fale das suas convicções políticas, faça um. Não seja “engenheiro de obra pronta”, q aponta os “erros” de quem fez um trabalho específico. Quem te disse q a sua opinião é a mais correta pra se julgar se um quadrinho é bom ou não? Todo mundo agora deu pra ser sociólogo e protetor das minorias, dizendo q tudo é opressivo.

    Se vc acha um quadrinho opressivo, então porq vc não faz um q não seja? Vai lá, coloca no mercado, aumente a diversidade de opinião, não é isso q vc quer fazer? Ah, mas vc não tem talento pra isso, então vc vai é obrigar quem tem à concordar com vc usando o argumento do politicamente correto pra vc conseguir oq quer.

    Vc acha q está lutando contra a opressão oprimindo o opressor, mas eu te digo uma coisa: vc se tornou o opressor. Sabe oq acontece qnd se combate fogo com fogo? Se cria um incêndio! Vc acha q está ajudando, mas só está criando agitação, baderna e esse caminho não leva à solução q vc espera.

    Curtir

  8. Entrei nesse “The Mary Sue” só por curiosidade e quase vomitei com tanta hipsterisse, de cara, sem nem precisar rolar a barra de rolagem, já li duas palavrinhas do mundinho hipster: tumblr e trangender.

    Curtir

  9. Cara, artigo ótimo! Foda! Você é um herói, teve coragem enquanto muitos covardes se calam! Os haters já chegaram comentando! Se prepare pra treta, ou melhor, pro caos! Acho que sua vida na internet pode virar um inferno!

    Curtir

  10. Ainda bem que temos o Supercaixa, o Newfrontiers nerd, o PastelNerd (os únicos que eu acesso atualmente). O Omelete, até há pouco tempo, tinha uma ‘resistência’ de leitores contra o chorume ideológico, mas a manada censora do pensamento alheio já está tomando conta. E para a canalhada de plantão, cito um personagem de quadrinhos consagrado nacional: VÃO CAÇAR UMA LOLA.

    Curtir

  11. “(Sobre Gail Simone) Mas ela não queria saber de nada disso, só queria se promover, e conseguiu, agora é uma conceituada escritora de HQs. Não gostava que matassem mulheres nos quadrinhos, mas hoje mata (conceitualmente) personagens consagradas como Sonja e Vampirella”

    Matar conceitualmente = não vestir roupas bizarramente sexualizadas?

    Curtido por 1 pessoa

  12. ” (sobre o Tapioca Mecânica) a tendência é imitar os que já existem e fazem sucesso, porque uma voz original (só o Caixa de Gibis tem) é muito difícil de desenvolver.”

    Olha como eu sou radical e original, eu não sigo as pessoas que estão certas, eu prefiro continuar falando merda doq ser igual a eles. OK fera

    Curtido por 1 pessoa

    1. Desculpe-me, Xablau, mas parece que vc não conheceu o MDM de 5 anos atrás. Sou leitor e ouvinte do MDM a mais tempo que isso e quem conheceu o site daquela época vê a enorme diferença de agora.

      Curtir

  13. Cara, o público mudou mesmo. São pessoas que veem o quadrinho além do entretenimento. Nem eu concordo com muita coisa, mas deixa eles falarem. É a liberdade de expressão também. Liga ” O que se foda no máximo” e desenha o que vc quiser, se não gostarem, fodam-se! Os homens não me convidam pra grande eventos…fodam-se!! Só vão perder a minha linda presença lá, oras… Vc não gosta dos sites aí…foda-se! Vai lavar uma louça cara. KKKK Se os politicamente corretos leem meu quadrinho e não gostarem…fodam-se! Foi se o tempo que eu me incomodava com crítica e idealismos, foda-se! Os machistinhas não gostam que eu desenhe, fodam-se! As feministinhas não gostam…fodam-se! Os dois lados precisam se focar mais em criação do que discussão!

    Curtir

    1. Não seja tolinho ou pior. O cara tá falando da doutrinação que esses sites passaram a defender como verdade. O público pop é feito de muitas crianças e adolescentes. Então é muito sensato da parte dele orientar, sim. Lavar louça?!?! Acho que está bem claro quem deveria estar lavando louça.

      Curtir

  14. Esses roteiristas reclamaram tanto do Comics Code Authority e acabaram criando outro, mais informal e velado, mas ainda pais poderoso que o original!

    Tem gente que não tem a mente preparada para a liberdade a mesmo, sai de uma gaiola e pula pra outra.

    Curtir

  15. O mais triste é a patuleia de manginas, feministos(as), LGBTistas e hipsters defendendo censura como se fosse “representatividade”. O que prova, inequivocamente, que suas teorias estão certas, Mauro. Uma pessoa que fala em “liberdade da mulher”, mas quer proibir desenhos de Milo Manara e Propagandas de Esmalte, é um imbecil tão incoerente que pode ter um ataque convulsivo se for contrariado. Uma pessoa que fala em representatividade, mas não concebe um personagem mulher, negro ou gay morrendo em um confronto durante uma cena, para dar força a trama, como a cabeleireira Gail Simone escreve, tem a mesma moral de um rato pra falar de liberdade.

    Curtir

  16. Esses roteiristas reclamaram tanto do Comics Code Authority e agora criaram outro.

    Informal, mas mais restritivo e com maior alcance que o antigo.

    Tem gente que não sabe viver em liberdade mesmo, sai de uma gaiola e já pula para outra.

    Curtir

  17. Olha que lindo, os leitores em um flashmob ( que eu já participei), enfim é um atitude digamos,, estranha, pois o conteúdo do site caiu de qualidade, e ironicamente naquele dia , saiu um texto constrangedor de um dos melhores redatores do site, no mais,, só vim para rir

    Curtir

  18. Faltou outros ainda qualquer comentário contra as ideias esquerdistas deles e caem de pau em ciima de vc; Já tem ativistas de plantão que não entendem porra nenhuma de quadrinhos e estão ali so esperando o momento de dar o bote e defender sua causa, desviando do foco principal; são sojdados das “minorias’.

    Curtir

  19. Vou comentar a minha experiência aqui: sou leitor há anos do MDM e o site de hoje é de dar medo. É só ver que no vídeo do boneco do Finn um leitor faz ameaças de morte e todo mundo aplaude.

    E se vc tentar argumentar alguma coisa eles se juntam em bando, manipulando o que vc disse e chamando de fascista, racista e principalmente PEDÓFILO.

    Finalmente a esquerda mostrou suas garras. Para quem achava engraçado o discurso do “você pode falar o que quiser, só não pode falar merda” que na verdade nada mais é que o “MDM: ame-o ou deixe-o”.

    Curtido por 1 pessoa

  20. Parabéns pela coragem em falar verdades inexoráveis. Muito bom! Daqui a pouco o Legião dos Heróis, site que tinham me dito estar a margem dessas bizarrices ideológicas, vai estar nesse bolo.
    Entre lá recente e lá estão os temas “representatividade”, “islamofobia” e afins. Tem uns carinhas justiceiros sociais que nos posts bem direcionados quando tem um comentário fora da curva deles cheio de likes e uns apadrinhados com meia dúzia de likes, na cara de pau eles colocam no topo os coments dos apadrinhados.
    A fuga para sites estrangeiros é o correto, ruim para quem não domina o inglês, mas para quem manja é a saída.

    Curtir

Deixe seu comentário, sem ofensas, por favor.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s